NOTÍCIAS DE ÚLTIMA HORA

sexta-feira, 18 de junho de 2021

Stratovarius: Elysium - Review

Uma das bandas mais inteligentes em conteúdo e melodia dentro do Power Metal lançou em 2011 um ótimo capítulo em sua carreira, o excelente "Elysium".

Sendo o último registro com o baterista Jörg Michael (que deixou a banda em 2012), trouxe um clima totalmente favorável e único para aquela época, era também o segundo sem a participação do guitarrista Timo Tolkki e do baixista Jari Kainulainen.

Matias Kupiainen e Lauri Porra respectivamente trouxeram sangue novo para a banda e ainda mais vigor conforme o tempo passou, mas é tão legal poder revisitar aqueles tempos que você simplesmente fica bobo em poder ver o quanto esses caras parecem só melhorar com o tempo.

A seleção de faixas aqui é ótima, tem inclusive a maior em duração da banda até os dias atuais, além claro de temas que fazem qualquer fã do estilo venerar ainda mais a banda.

A arte de capa foi criada por Gyula Havancsák e traz a mesma nave espacial em forma de estrela que também apareceu no álbum "Polaris" de 2009.

O que dizer de um marco como este lançado há 10 anos?apenas que ouça e revisite essa ótima dinâmica aliada a grandes músicos que se inspiraram demais.


Adquira a sua cópia através da loja dos nossos parceiros da Shinigami Records clicando aqui


Tracklist:

1. Darkest Hours
2. Under Flaming Skies
3. Infernal Maze
4. Fairness Justified
5. The Game Never Ends
6. Lifetime in a Moment
7. Move the Mountain
8. Event Horizon
9. Elysium

Link: http://www.stratovarius.com

quarta-feira, 16 de junho de 2021

Amorphis: Far From The Sun (Reloaded) - Review

Se tem uma banda que consegue imprimir ótima técnica e versatilidade é o Amorphis, com uma legião de fãs por todos os cantos do planeta, sempre trouxeram ótimos álbuns e canções que fazem parte da maioria dos grandes nomes europeus.

Já faz um bom tempo que o álbum está disponível (lançado originalmente em 2003), e nada mais justo que as novas gerações terem contato com uma obra muito bacana como "Far From the Sun".

Faixas que se tornaram habituais na carreira da banda, bem como alguns parametros que se estabeleceram com o tempo, evidenciando técnica e melodias bem legais.

A produção também foi muito bem elaborada a época e trouxe a tona mais um ótimo destaque, o próprio conhecimento da banda pois os mesmos que concluíram cada detalhe minucioso em vários estúdios na Finlândia.


Devo destacar que este é um tipo de álbum que deve ser ouvido com atenção e seguindo os padrões definidos de suas faixas pois temos uma seleção muito bacana.


Adquira a sua cópia através da loja dos nossos parceiros da Shinigami Records clicando aqui


Relançamento com cinco faixas bônus, incluída a versão acústica da faixa-título, em versão DIGIPACK com CONTRACAPA SOBRESSALENTE para quem não abre mão da versão em acrílico.

Tracklist:

1. Day Of Your Beliefs
2. Planetary Misfortune
3. Evil Inside
4. Mourning Soil
5. Far from The Sun
6. Ethereal Solitude
7. Killing Goodness
8. God Of Deception
9. Higher Ground
10. Smithereens
11. Shining Turns To Gray (bonustrack)
12. Follow Me Into The Fire (bonustrack)
13. Darkrooms (bonustrack)
14. Dreams Of The Damned (bonustrack)
15. Far from The Sun (Acoustic Version)

Link
www.amorphis.net

sexta-feira, 11 de junho de 2021

Burning Witches: The Witch of the North - Review

É incrível como a cada lançamento das suíças da Burning Witches eu fico entusiasmado com as faixas que estão por vir, ainda mais por conta de algumas mudanças que acabam ocorrendo como por exemplo na formação, o que deixa ainda mais a curiosidade aguçada para o que poderão produzir a partir de uma nova era, pessoa ou momento.

Em seu quarto álbum de estúdio e Intitulado "The Witch of the North", as meninas mandam bem demais em sua dinâmica Metal e melódica, mantendo características de seu último registro e evoluindo ainda mais na parte cadenciada, criando sua própria identidade que vem sendo lapidada nos últimos anos.

Sua produção é novamente feita pela lenda Schmier Fink (Destruction), além da masterização e mixagem por V.O. Pulver (Pänzer), salienta os excelentes vocais, linhas melodicas em seus riffs que lembram grandes nomes do estilo, com elementos modernos bem legais.

A faixa título com seus 5:30 de duração é uma verdadeira ode a carreira da banda, certamente irá figurar entre as melhores coisas já feitas por elas, mas obviamente, muitas outras aqui merecem destaque como por exemplo "Tainted Ritual", rápida, esbanjando virtuose e riffs marcantes.

Outra faixa que merece a sua total atenção é "We Stand As One", um Heavy/Power de primeira qualidade.

Para fechar, o cover de "Hall of the Mountain King" mostra novamente que sempre acertam em suas escolhas para homanegarem grandes nomes, como o Savatage aqui!


Ouça e contemple novamente um grande álbum em 2021!!!


Adquira a sua cópia através da loja dos nossos parceiros da Shinigami Records clicando aqui


Um lançamento da parceria Nuclear Blast / Shinigami Records em versão DIGIPACK com contracapa sobressalente para quem não abre mão da versão acrílica.


Tracklist:

1. Winter s Wrath
2. The Witch Of the North
3. Tainted Ritual
4. We Stand As One
5. Flight Of The Valkyries
6. The Circle Of Five
7. Lady Of The Woods
8. Thrall
9. Omen
10. Nine Worlds
11. For Eternity
12. Dragon s Dream
13. Eternal Frost
14. Hall Of The Mountain King

Link: https://www.burningwitches.ch/

sexta-feira, 28 de maio de 2021

Stratovarius: Infinite - Review

Já tem um certo tempo que tive meu primeiro contato com a discografia da banda, a época, ainda adolescente, descobrindo o Metal Melodico (ou Power Metal), conheci nomes que foram crescendo no início dos anos 2000 e também outros que já estavam consolidados.

O Stratovarius nunca foi uma unanimidade entre amigos que curtiam o estilo, preferiam falar do Helloween, Iron Savior, Blind Guardian, consequentemente HammerFall (que também amo), já eu, ia sempre na contramão, adorava ouvir cada lançamento de Timo Tolkki e sua criatividade.

Eis que "Infinite" chega abrindo uma nova era para a banda, um som diferente do que víamos no fim dos anos 90, era algo moderno demais para seu tempo (ou talvez muito arriscado), mas felizmente resistente ao tempo (não a toa, cá estamos abordando isto após 21 anos).

Se você esperava por canções densas, aqui tem...
Se você esperava por canções melodicas, aqui tem...
Se você esperava por canções modernas, aqui tem...

Por vezes, "Infinite" agrada variados fãs, mesmo os mais céticos a época que renegaram um pouco tais temas, ainda sim compreendem melhor hoje.


Em sua ótima produção, encontramos faixas clássicas como "Mother Gaia", "Phoenix" e a majestosa "Infinite", ambas com dinâmicas únicas que a cada audição se tornam ainda mais especiais, bem como "Hunting High and Low" e a minha preferida da banda, "A Million Light Years Away", faixa que me persegue em playlists anuais desde 2012.

Ainda quer mais?confira "Why Are We Here?", uma ótima faixa bônus de presente para você!


Se ainda não absorveu os primeiros anos da banda, este é um ótimo momento para conhecer um pouco mais do poder que esses caras tem, e claro, de uma época que mudaram seu som e conseguiram conquistar ainda mais admiradores.



Adquira a sua cópia através da loja dos nossos parceiros da Shinigami Records clicando aqui


Tracklist:

1. Hunting High and Low
2. Millenium
3. Mother Gaia
4. Phoenix
5. Glory of the World
6. A Million Light Years Away
7. Freedom
8. Infinity
9. Celestial Dream
10. Why Are We Here? (Bonus Track)

Link: 

http://www.stratovarius.com

quinta-feira, 27 de maio de 2021

Helloween: Rabbit Don't Come Easy - Review

Cara, como é bom lembrar dos tempos em que algumas bandas arriscavam por várias vertentes do Metal sem terem medo de soar mais pesadas ou menos melodicas.

O Helloween fez isso em 2003 com "Rabbit Don't Come Easy", um álbum excelente que trouxe a tona canções de ótimo desempenho para a carreira de Andi Deris e Cia.
Mesmo que alguns problemas tivessem sido controlados (ao menos por um tempo), ainda precisavam de músicos para substituírem Uli Kusch e Rolland Grapow (baterista e guitarrista), e as gravações das 6 cordas ficou a cargo de Sasha Gerstner, além de três outros para a baquetas...

Sim, primeiro Mark Cross (que acabou ficando doente e sendo substituído), e que baita substituição, ninguém menos que Mikkey Dee (que atua nos últimos anos pelo lendário Scorpions e claro, famoso mundialmente por ter feito parte do Motörhead).

Até que, encontraram em Stefan Schwarzmann (Running Wild e Accept) um consenso e enfim, terminaram as percursores para as canções mais legais daquela época.

Digo sempre que este é o disco que "tem para todo mundo", se você gosta de algo mais melodico com refrão extremamente acessível, comece por "Just A Little Sign" (que inclusive ganhou um videoclipe a época).

Já para os amantes de algo denso e extremamente de bom gosto com uma aula de solos, procure por "Hell Was Made In Heaven", uma das faixas que mais admiro da banda.


A produção de Charlie Bauerfeind (HammerFall, Blind Guardian etc.) e gravação nos Mi Sueno Studios em Tenerife, de propriedade do vocalista Andi Deris, rendeu uma sequência de ótimos frutos que viriam se tornar clássicos após os seus quase 20 anos de lançamento.


Não perca a chance de ter uma obra prima desta em mãos!


Adquira a sua cópia (em versão DIGIPACK com Bônus) através da loja dos nossos parceiros da Shinigami Records clicando aqui


Tracklist:

1. Just A Little Sign
2. Open Your Life
3. The Tune
4. Never Be A Star
5. Liar
6. Sun 4 The World
7. Don’t Stop Being Crazy
8. Do You Feel Good
9. Hell Was Made In Heaven
10. Back Against The Wall
11. Listen To The Flies
12. Nothing To Say

BONUS TRACK

13. Far Away
14. Fast As A Shark (Accept Cover)
15. Sheer Heart Attack (Queen Cover)


Link: 

www.helloween.org

segunda-feira, 24 de maio de 2021

Megadeth: banda anuncia oficialmente o desligamento do baixista David Ellefson

Muitos acompanharam nas últimas semanas todo o problema que ocorreram para o baixista do Megadeth, tudo graças a um suposto vazamento de vídeos íntimos do músico durante conversas com uma fã menor de idade.

Com isto, sua credibilidade ficou em cheque e claro, muitos debates acabaram se tornando cada vez mais comuns durante este tempo, inclusive a discussão sobre o que o Megadeth iria de fato fazer sobre o ocorrido.

Hoje, 24/5/2021, a banda oficialmente anunciou que David Ellefson não faz mais parte da banda, a nota saiu inclusive em nome de Dave Mustaine.


Confira o comunicado clicando aqui


Ellefson era uma das partes fundamentais da banda junto a Mustaine, um braço direito diria, gravando inúmeros álbuns importantes e tendo sido reconhecido como um dos maiores de sua geração.

terça-feira, 18 de maio de 2021

NO VOID SHELTER: ouça playlist do seu primeiro álbum

Nota:

NO VOID SHELTER disponibilizou uma playlist no seu canal oficial do YouTube contendo faixas pertencentes ao seu debut álbum, “The Deal”, composto por 10 versões de grandes clássicos de bandas internacionais. 

O material foi lançado no ano de 2020.

Mantendo sua qualidade técnica e versatilidade, o trio incluiu elementos do metal progressivo ao já bem-desenvolvido estilo de blues rock, definindo também um nome original para evitar novas alterações e manter sua identidade. 

Atualmente, a banda segue trabalhando na gravação do vindouro álbum “Unlock”, que tem previsão de lançamento para o corrente ano.


Para mais informações sobre as atividades da banda NO VOID SHELTER e dos demais artistas da empresa, basta entrar em contato com a MS Metal Press através do e-mail contato@msmetalagencybrasil.com.

Links relacionados:

Proxima  → Página inicial

ROCK VIBRATIONS NO FACEBOOK!

VISITAS

MAIS LIDAS DA SEMANA!